Luto pela COVID-19: como compreender a finitude em tempos de pandemia?

O luto pela COVID-19 ainda assola o mundo inteiro. A pandemia do Coronavírus entrou em nossas casas, se estabeleceu em nossas vidas e tem gerado uma avalanche de angústia, estresse e muito medo da nossa própria morte e da morte de pessoas que amamos. O luto causado pela COVID-19 juntamente com a experiência de conviver com a morte e com a ideia de finitude tem sido uma constante em nossas vidas nestes últimos meses.

O luto pela COVID-19 e os desafios de se adaptar a tantas mudanças.

Se por um lado a pandemia trouxe tantos desafios de sobrevivência tais como quebra de planos e projetos, dificuldades econômicas, mudança de rotina das famílias, afastamento e isolamento de crianças, adolescentes e adultos e o trabalho na modalidade “home office”, por outro lado, ela também trouxe uma lição de difícil compreensão: a confirmação de que somos finitos e precisamos compactuar com essa verdade por mais que ela seja desorganizadora. 

Famílias enlutadas pela COVID-19 e os rituais de despedida.

Estamos diante de milhares de famílias em luto, que nessas circunstâncias da pandemia, tiveram muitas privações nos encaminhamentos do funeral e das despedidas.  Os rituais de despedida (velório, sepultamento/cremação) favorecem um espaço onde amigos e familiares compartilham a experiência de perda, o sofrimento, as histórias e se despedem do falecido. A nova vivência desses rituais modificados e suprimidos, para conter a contaminação, restringindo o tempo e as visitas e muitas vezes mantendo o caixão lacrado, podem trazer muitas dificuldades para a elaboração dos lutos dos familiares e amigos. 

Luto pela COVID-19 no contexto de isolamento social.

Se você vive seu luto neste contexto de pandemia ou acompanha alguém nesta situação, certamente você irá se identificar com alguns agravantes, tais como:

  • Não conseguir dizer o último adeus, somado com a tristeza de deixar um ente querido no hospital e, muitas vezes, pressentir que nunca mais poderá vê-lo.  
  • Não receber o apoio próximo (devido ao isolamento) de amigos e de conhecidos. O suporte da rede de amigos e familiares é muito importante para o processo de enlutar-se.
  • A falta de concretude dos rituais pode levar os enlutados a alimentar fantasias que seriam naturais no processo de luto, tais como: “Será que ele ficou no hospital e na verdade não morreu?” ou até “Será que era ele mesmo no caixão?”.
  • Ainda como busca pela concretude, os familiares podem querer se certificar do ocorrido mesmo após o sepultamento, com o exame do boletim médico no hospital para poder saber o que aconteceu lá, enquanto eles não estavam com o doente, e para saber se o óbito ocorreu mesmo.
  • Sentimentos de medo de perder outros membros da família podem gerar uma ansiedade e uma hipervigilância e proteção pelos membros que ficam.
  • Muitos podem se sentir culpados por acreditarem que foram os responsáveis por ter contaminado o ente querido.

Dicas importantes para enfrentar o luto pela COVID-19.

Se você vive um luto decorrente da Covid-19 ou acompanha famílias que passam por essa experiência, seguem algumas dicas importantes para esse momento:

  • Já que os rituais foram quase todos suprimidos, você pode mandar uma mensagem se colocando à disposição para qualquer ajuda.  
  • Ouvir sem se posicionar e ou dar conselhos é uma ferramenta importante nesse processo. A escuta empática e compassiva exige que a pessoa se livre dos seus próprios achismos, principalmente no que diz respeito à morte e crenças sobre vida e morte. Para ouvir e acolher os sentimentos de um enlutado, faz-se necessário respeitá-lo no seu sofrimento.
  • Não imponha ideias e não tente desviar o assunto, pois falar sobre a pessoa que faleceu pode ser muito importante no momento de dor.
  • Já que o acesso a tecnologias e meios de comunicação se tornaram virtuais, lembre-se de perguntar sempre se a pessoa precisa de algo.
  • Você pode auxiliar nas atividades diárias que se tornam pesadas para o enlutado, como fazer compras, pagar contas, levar o animal no petshop, intermediar contato com advogados ou ajudar com os pertences do falecido. Claro, sempre questionando e respeitando a vontade do enlutado.
  • Entenda que querer ficar sozinho é uma resposta natural no luto, a pessoa passa por um período de processamento do que ocorreu e de compreensão de como sua vida ficará a partir daquele ponto. 

Cada dia é único para quem acabou de perder alguém. Costumamos dizer que se trata de uma “montanha russa” de sentimentos e sensações, com dias bons e outros ruins, portanto, é sempre importante questionar e respeitar o espaço do enlutado.

Apoio ao luto no Memorial Parque das Cerejeiras.

Para o Parque das Cerejeiras, o suporte ao luto significa oferecer atendimento humanizado e de acolhimento às famílias com foco na saúde espiritual e psicológica. Contamos com a parceria do Centro de Psicologia Maiêutica, no trabalho de apoio psicológico ao enlutado.  Entre em contato conosco e conheça nosso trabalho.


Este texto foi desenvolvido pelo Centro de Psicologia Maiêutica em colaboração com o Grupo Cerejeiras.

Preencha o formulário abaixo para conhecer nossas soluções.

[]
1 Step 1
keyboard_arrow_leftPrevious
Nextkeyboard_arrow_right

Para conhecer nossas soluções, clique aqui.

Deixe um comentário